Páginas

L'amour.

E é um daqueles dias que você não tem exatamente muita coisa a dizer. São tantos pensamentos que lhe vêm à cabeça, tantas memórias, tantas histórias que já aconteceram e outras que poderão acontecer. O fato é que tantos relacionamentos parecem ser tão simples, tão belos, tão verdadeiros. Mas realmente o são ? Pra dizer a verdade, o que seria um relacionamento verdadeiro? Esperar pelo príncipe encantado não seria algo meio hipócrita e utópico? Nada contra aquelas que esperam o seu 'príncipe encantado no cavalo branco.' É só que nunca esperei e nunca vou esperar por alguém assim. Afinal, se nós não somos princesas, somos simplesmente garotas, por que nos daríamos ao luxo de procurar alguém idealizado, estereotipado e tecnicamente perfeito ? Sinceramente, desde que era uma garotinha e não tinha muita noção do que eram os relacionamentos (e até hoje não sei se posso dizer ao certo se realmente tenho) nunca gostei daqueles filmes bobos nos quais o príncipe aparece no final para ''salvar'' a mocinha dos apuros e das interpéries da vida. Nada daquilo é real. Real é sentir o abraço de alguém e senti-lo dentro de você, é andar de mãos dadas sem se preocupar com o que vão dizer e, principalmente, com o que vai acontecer no futuro. Real é confiar em alguém para contar seus problemas, seus medos, seus anseios e ouvir os dele, mesmo que pareçam bobos aos olhos de quem está de fora. Dane-se tudo, o importante é saber que há alguém ali por você e para você. É saber que alguém não diz que te ama só por dizer e sim porque realmente o sente. Acredito que 'amores verdadeiros' não sejam regados a grandes demonstrações de sentimento ou de lindas trilhas sonoras, ou ainda grandes passeios, grandes lembranças. Grandes amores são regados a companheirismo e a alegria, características um tanto quanto raras hoje em dia. Não é necessário muito. É como ter um 'amigo' pra dividir muito mais do que as tristezas e as alegrias. Um amigo que você amaria além de um amor de amigo. Alguém que seria um amigo e um amante, tudo junto e ao mesmo tempo. Afinal, se você ama alguém, ama-o por inteiro, ama suas qualidades, respeita seus defeitos, suas manias e ama todos os 'eu's desta pessoa. O 'eu' amigo dela, o 'eu' amante dela, o 'eu' nervoso, o 'eu' feliz, o 'eu' inseguro, o 'eu' decidido, o 'eu' amoroso. Amar de verdade seria amar por inteiro. De que adianta um 'grande amor', arrebatador e intenso se o 'amado' não tem a mínima noção nem dos seus sonhos, que dirá dos seus medos ? Como amar alguém que não conhece seu verdadeiro 'eu', aquele que contém todos os outros ? Nada. Não adianta NADA. Assim, amar alguém e ser amado seria muito mais do que belas histórias, beijos inesquecíveis ou qualquer outra característica superficial e material. Seria algo quase que tangível sem realmente o ser. Seria simplesmente amar sem esperar algo em troca. Seria dar sem esperar receber. Sem idealizar encontros ou atitudes e que dirá palavras provenientes do outro em questão. Seria 'estar lá', um ombro amigo e um coração para compartilhar as poucas e boas da vida. As lágrimas e os sorrisos. As perdas e os ganhos. As razões e as emoções. Assim, uma bela conversa às vezes valeria muito mais do que um encontro regado a beijos de tirar o fôlego e tudo mais que o 'pacote' inclui. Amar é viver ao lado daquele que se ama compartilhando tudo, tudo MESMO. Nada de idealizações que por fim se transformariam em momentos frustrados e pessoas decepcionadas com seus parceiros e com elas mesmas. Amar seria simplesmente amar. Viver por ti e pelo outro. É isso. (E isso porque eu comecei o texto dizendo que não tinha muito a dizer. Que ironia ^^)
- Love Song - P!nk (8).

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Read Comments

3 comentários:

Igor disse...

E se, além de todo o companherismo, toda paciencia e toda reciprocidade, ainda viesse agragado "o encontro regado a beijos de tirar o folego e tudo que o pacote inclui"?
Telsom meu...!

H disse...

O amor existe de diversas formas. E reconheço que um desses que escreveu, sem dúvidas, é um dos mais intensos, (in)gratificantes e concretos. Parabéns pelo texto.

O anônimo é uma pessoa que mora um pouco mais ao sul da sua casa...hehehehe

Beijos.

albanezricci disse...

L'amour, é mesmo irônico quando a gente acha que não consegue dizer nada sobre isso, porque muitas vezes não conseguimos explicar. Mas sabemos a diferença em quem diz coisas incríveis sobre o amor e aqueles que dizem apenas que ele é inexplicável. Então me pergunto: você ainda ama um romântico louco.? Então por que se torna outra romântica.? Ama sem medo e respire a esperança, realmente você é uma das poucas que são assim como eu: românticos são poucos.!

Postar um comentário